domingo, 30 de agosto de 2015

POEMA AMOR MISTÉRIO



AMOR MISTÉRIO
 
Questão de critério,
Pureza e magia
Amor mistério,
Questionando a fantasia
Velho império
Também biografia
Ainda cenário
Laboratório de alquimia
Terno, conciliário
A lua se comprazia
No seu rotário
Vigiando, sorria
Amor mistério
Volátil fingia
Sentido evocatório
Pura energia
Suplemento etário
Do sonho vigia
Amor mistério
Sonho de um dia.
 
Daniel Costa
 (poema e foto)

 

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

POEMA DECLARAÇÃO A SAMIRA



DECLARAÇÃO A SAMIRA

 

Grutas de Altamira

Sonho de romaria

Declaração a Samira

Simples como bijuteria

No seu vestido de caxemira

De tez garbosa sorria,

Alegre sorria sem canseira

Duas almas em confraria

União verdadeira

Configurando perfumaria,

Altar de confeiteira

Doçura de tapeçaria

Declaração a Samira

A promessa de paz ficaria

Assombro de bebedeira

Cerimónia de ária,

Música de lira,

Elegantes, seios de contrastaria

Declaração a Samira.

 

Daniel Costa

 

 

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

POEMA NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO


<br/><a href="http://oi58.tinypic.com/2i9nmnd.jpg" target="_blank">View Raw Image</a>

NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO

 

Nasci a metros do seu sacrário,

Que no século XVIII se construiu

Nossa Senhora do Rosário

Num novo mundo, a vida evoluiu

À vista, um outro campanário

Noutros sonhos a vida se imiscuiu

Sempre desejei outro casario

Com diferentes remadas me distinguiu

Jamais a mente sofreu calafrio

Templo o nascer viu, não me diminuiu

Testemunhou a força, atribuindo-me brio

Templo… Recordação, que prosseguiu

Angelical e de boas recordações cenário

Padroeira, muitas preces constituiu

Nossa Senhora do Rosário!

 

Daniel Costa

(Poema e fotos)

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

POEMA A ARTE DA FOTOGRAFIA



A ARTE DA FOTOGRAFIA 
 
Fotografia não é litografia,
 Dará vida a esta
A arte da fotografia,
Juntas são arte de festa
Ficarão ainda biografia
Fica o recado que atesta
O suporta a cenografia
Artes gráficas a fixam na gesta
Arte da fotografia,
O padrão contumaz desta casta
Do novo mundo da grafia
Da televisão, basta?
E a Internet? Com a sua fonografia!
Mente avançada, de baterista!
Grande artista de fotografia,
Operador de televisão, tudo na crista,
Augusto Cabrita, de cenografia,
Deve ser recordado, por activista,
Da memória, até da discografia
Da do vinil arranjista
Na conversação faltou a holografia,
Olhar de grande artista
A arte da fotografia!
 
Daniel Costa
 
 
 
 
 

sábado, 15 de agosto de 2015

POEMA AMEMOS COM BRIO



AMEMOS COM BRIO
 
Viver sem mistério
Não dispensemos, a disposição
Amemos com brio
Será amor de devoção
Usemos sempre o critério
Usemo-lo com emoção
Com carimbo decisório,
Se necessário com o coração
Amemos com brio
Amemos de gratidão
Ser grato não é aleatório,
Antes aculturação,
 Será nobiliário,
Em qualquer situação
Cultivo prioritário
Forma de afeição
Tratamento a frio
Mundo de aparição
Mundo de martírio
 Mundo de aberração
Amemos com brio!
 
Daniel Costa
 
 
 

 

quarta-feira, 12 de agosto de 2015

POEMA CEGUEIRA MENTAL



CEGUEIRA MENTAL
 
Do povo antigovernamental
Existencial; sabemos
Cegueira mental
Escolher bem, tentemos
Devemos exigir o transcendental,
Ver nessa óptica; obliquemos,
Moral não haverá no quintal
Fiéis a princípios nos, manteremos
Cegueira mental,
Despropósitos; enxaguemos
O desamor ao povo é sacramental
Apesar das lutas que roemos,
 O barulho fundamental
Para os elegermos
Atiram vozes de instrumental
Que esperam, esquecermos
Antes de eleições, barulho infernal,
A seguir as divisões; sentiremos
Depois silêncio sepulcral
Divisões, essas hemos
Fica a cegueira mental,
Sem o desejar, escolhemos
A distribuição, por poltrões, do vil metal,
Por todos, ainda que estafermos
Cegueira mental!
 
Daniel Costa
 
 
 

quinta-feira, 6 de agosto de 2015

POEMA MÉRITO - MERITOCRACIA



MÉRITO – MERITOCRACIA
 
Fora a anquilosada plutocracia
Para dizer não ao aberrativo
Mérito – Meritocracia
Queremos o nosso voto positivo,
Na pureza da democracia
Nada de grandes elencos, a tornar o poder aflitivo,
Povo, a questionar-se…. Quem pediu o castigo?
Mérito – Meritocracia!
Fora os boys! Dêem-lhe outro abrigo
Coitados… Não se formam num trabalho de eficácia!
Governem para o povo, o povo produtivo!
O que abjura a corrupção com pertinácia
Dessa trate a justiça, com independência, tudo decisivo
Mérito – Meritocracia
O povo, amargurado, procura um poder criativo
Livre de aberrações, livre de falácia,
Apenas de boas obras denunciativo
O mundo já está farto de ineficácia
Venha o demonstrativo
Mérito – Meritocracia
Povo atento e activo!...
 
Daniel Costa
 
 
 
 

terça-feira, 4 de agosto de 2015

POEMA LUA; LUA AZUL




LUA; LUA AZUL
 
Reluz a norte e a sul
Intermitente zeladora
Lua; lua azul
Eternamente sedutora
De quando, em vez cool
De poetas mentora
Seu profeta Saul,
Sua terna aurora,
Ternurinha de angul
Infinita e conciliadora
Aurora de cônsul,
Sua motivadora,
Seu amuleto de Seul
Sua veia oradora
Lua; lua azul
Da noite identificadora
Lua; lua azul!
 
Daniel Costa
 

sábado, 1 de agosto de 2015

POEMA FANTASIS E SOLIDÃO



FANTASIA E SOLIDÃO
 
Dependerá da ocasião
Quiçá de equacionar fantasia
Fantasia e solidão
Talvez de certa travessia,
Integrando uma multidão,
Sentindo aflorar olor a maresia,
À qual veremos atenção
 Que mais fazer se poderia?
Que fazer ecoar espírito de missão?
Divina e bucólica cortesia
Parâmetro de união
De um lado a fantasia
Do outro a solidão
A solidificar a catarsia
Naturalmente o solitário, não!
Haja poesia, por companhia
Que a poesia acompanhe então!
Seja o atraente guia
Fantasia e solidão
Apenas igual a poesia!
 
Daniel Costa