DANIEL MILAGRE

A MINHA POESIA - A MINHA VIDA

segunda-feira, 9 de julho de 2018

POEMA AMOR, EU E VOCÊ


 Foto de Daniel Cordeiro Costa.

O AMOR, EU E VOCÊ

O amor, eu e você
Na constelação amor
Estrela que não se vê
Lá no faiscar do brejo
Pisca só para mim e você
No piscar benfazejo,
O seu raiar, sugere,
Sugere ficarmos à mercê,
Do amor de desejo
Solidão que o piscar prevê
Eu e Você no brejo!

O amor, eu e você
Constelação de desejo
Dele ficamos à mercê
Eu e você no brejo!

Sorridentes; assim é que é!...
O deus do amor está aquém,
Para se ver como rejubila
Com a junção do eu e você
Ordena o faiscar da estrela,
Estrela da vida, da nossa vida
Como é bela e sentida
Eu e você,
Constelação de vida!

O amor, eu e você
Constelação de desejo
Dele ficamos à mercê
Eu e você no brejo!

Daniel Costa

domingo, 17 de junho de 2018

POEMA DESLUMBRAMENTO E FÉ


 Carrie Underwood

DESLUMBRAMENTO E FÉ

Deslumbramento e fé
Foi assim a conquista,
A conquista da Mizé
Amor que se mantém,
Que se manterá de pé,
Eternamente…
Eternamente… Como é!

Deslumbramento e fé
Amor que se mantém:
- A conquista da Mizé
Eternamente, como é!

Felicidade absoluta,
Declaração feliz,
Feliz porque resoluta
Assim Deus o quis,
Merecimento atestado,
Atestado pelo eterno,
Pelo eterno Juiz,
Conduta e a Mizé!

Deslumbramento e fé
Amor que se mantém:
 - A conquista da Mizé
Eternamente, como é!

Daniel Costa







quarta-feira, 6 de junho de 2018

POEMA A SAGA DO JULIÃO

Carrie Underwood


A SAGA DO JULIÃO

A saga do Julião
Aconteceu no século,
No século passado
No mundo, do outro,
Do outro lado
Nascia a alvorada
Julião aparecia,
Aparecia enfiado
Como que desconfiado,
De enxada e garrafão.
Só à noite regressava
Não queria saber de nada,
Apenas visitar,
Visitar a Eduarda

Mundo do outro,
Do outro lado,
Nascia a alvorada,
Só à noite regressava

A Eduarda visitava:
- Ó Eduarda serve-me,
Serve-me a canada,
Subia ao mocho
Bebia e rodopiava;
Cantarolava assim:
Dizem por aí que sou,
Que sou mocho,
Que sou frouxo,
Que nada…
 Más… línguas!…
Ó Eduarda serve,
Mais uma canada!...

Mundo do outro,
Do outro lado,
Nascia a alvorada,
Só à noite regressava

Daniel Costa