quinta-feira, 19 de junho de 2014

POEMA MAR DA PRAIA DA ERICEIRA


 
 
MAR DA PRAIA DA ERICEIRA 
A norte seu lajedo, sua mexilhoeira
Mar de antigas civilizações
Mar da Praia da Ericeira
Podemos ver vestígios das suas ações
No que resta da sua vetusta salgadeira
Senhora do Mar; ali senti felizes ocasiões
Até em passagem rumo à envolvente charneira
Como a vizinha Ribamar para, petisco incursões
Nas variadas gostosuras; verdadeira
Porém, tudo são gostos e opções!
Em culinária, a praia será sobranceira
Nas suas famosas variações
Mar da Praia da Ericeira
 Já os fenícios implantaram lá as suas ações
Um século antes de Cristo, ditaram, maneira
Brindaram os deuses com suas orações
Senhora do Mar; ali acabou uma monarquia verdadeira
Dava-se lugar aos republicanos corações
Aconteceu no século XX ali à beira
Na praia dos pescadores, das armações!
Portugal nunca passou da asneira,
Apesar das arribas, haver acenos, choros e emoções,
No Pais persistiu sempre a cegueira!
Ficaram sempre os vendilhões
Mar da Praia da Ericeira! 
 
Daniel Costa









11 comentários:

✿ chica disse...

Poema lindo, como sempre sabes fazer.Lindo mar! Linda praia dessa vez em versos cantada! abraços,chica

José María Souza Costa disse...



Olá, Daniel.
Poema, lindo. Maravilhoso. De saudade.
amei.
Um abraço.

Marta Vinhais disse...

Lendas, histórias sobre o mar...
Adequado à estação...
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

Cristal de uma mulher disse...

Que bela cidade amigo ! As vezes nem podemos imaginar o que existe neste planeta maravilhoso de nome terra e quando vemos ficamos sonhando.
Belas letras grande escritor como sempre um privilegio estar contigo meu amado!!!

Obrigada pelo sempre carinhoso que és com minhas letras.

Um abraço de sempre sucesso

Cristal

Rosemildo Sales Furtado disse...

Mais uma vez me proporcionas um belo passeio por mais uma linda praia acompanhada de um belo poema.

Abraços,

Furtado.

Felisberto Junior disse...

Olá,Boa noite,Daniel
belo poema sobre a Praia da Ericeira...hum, que confesso nunca tinha ouvido falar,mas que sei, agora, que a origem do povo da Ericeira remonta aos fenícios, "Já os fenícios implantaram lá as suas ações"...e não tem jeito mesmo,em cada praia,"variadas gostosuras; verdadeira Porém, tudo são gostos e opções!"...
Parabéns!
Obrigado pelo carinho,belo final de semana,abraços!

Renata Maria disse...

Poema lendário, histórico. Adoro ouvir sobre o mar e os seus poemas são muito sonoros.
Lindo!
Beijos,
Renata

Anne Lieri disse...

Que belo poema,Daniel! E o azul desta praia é de encantar! bjs

Graça Pires disse...

Uma praia cheia de lendas e muito bela. Com um mar tão azul que quase cega... Adoro. Gostei do seu poema e de ouvir o Roberto Carlos.
Abraço.

Ana Bailune disse...

Que lindo, Daniel!
Assim, ficamos conhecendo as praias qo redor do mundo.
Tenho tido muitas dificuldades para chegar aos blogs, mas continuo tentando... abraços.

Reflexo d'Alma Fase 2014 disse...

Delícia de escrita!
Gosto muito daqui e sei ser vc
um milagre maravilhoso Daniel.
E te espero sem falta
nesse meu novo trabalho
de poesia.
Bjins
CatiahoAlc./ReflexodAlma