sexta-feira, 27 de junho de 2014

POEMA MAR DA PRAIA REDONDA


 
MAR DA PRAIA REDONDA 

É elegante o balançar da onda
Junto a Póvoa de Varzim
Mar da Praia Redonda
O poeta balançando, feito pinguim
Recordando Jane Fonda
Senhora do Mar, a maresia me fez assim
Em jeito de quem contrabanda
Designação popular… Dos Banhos, como clarim
Praia Redonda, maré fecunda!
Patenteias a enseada, como bandolim
Praia de areia doirada; comanda
Junto ao porto de pesca, é Arlequim!
Tornaram histórica aquela banda
Os habitantes do Minho, no seu latim
O Cego do Maio, o salvador de bravura profunda?
 Um deus, redentor, a salvar pescadores sempre afim,
Senhora do Mar; me dizei, donde a sua fé foi oriunda!
Esse símbolo da estatuária da Póvoa de Varzim
Mar da Praia Redonda
Do turismo nortenho patim
Mar da Praia Redonda!

Daniel Costa






 

domingo, 22 de junho de 2014

POEMA MAR DA PRAIA DO MINDELO





MAR DA PRAIA DO MINDELO 

Sempre imagino com desvelo
Sou poeta trabalhador
Mar da Praia do Mindelo
Aprendia a ler e a escrevinhador
Aconteceu com desvelo
Senhora do Mar; seria adivinhador?
Alô Vila do Conde! Cidade do Mindelo
De rendas de bilros, era informador
Das de trança de três bilros, não sabia do elo
Dessa virtude, escrevia, ficando sabedor
De quatro, para mim era zelo
Porque a praia e o mar das rendas, me fazem falador?
Mar da Praia do Mindelo
A origem das rendas; é do ondular detentor!
Saber disso é de poucos; prelo!
É necessário haver estátuas, como meio apontador!
Senhora do Mar; que o fato não fique sem velo!
Que meu testemunho fique como valor!
O mar se passa a espraiar singelo
 Some o rendilhado da espuma na areia e atua o criador,
Esboça mais uma peça, um novo modelo!
Oh mar! Jamais deixarás de ser sedutor,
Tuas ninfas a trinar, parecem soltar som de violoncelo,
Atração, amorosa e resplendor,
Mar da Praia do Mindelo!

Daniel Costa


 
 


 

quinta-feira, 19 de junho de 2014

POEMA MAR DA PRAIA DA ERICEIRA


 
 
MAR DA PRAIA DA ERICEIRA 
A norte seu lajedo, sua mexilhoeira
Mar de antigas civilizações
Mar da Praia da Ericeira
Podemos ver vestígios das suas ações
No que resta da sua vetusta salgadeira
Senhora do Mar; ali senti felizes ocasiões
Até em passagem rumo à envolvente charneira
Como a vizinha Ribamar para, petisco incursões
Nas variadas gostosuras; verdadeira
Porém, tudo são gostos e opções!
Em culinária, a praia será sobranceira
Nas suas famosas variações
Mar da Praia da Ericeira
 Já os fenícios implantaram lá as suas ações
Um século antes de Cristo, ditaram, maneira
Brindaram os deuses com suas orações
Senhora do Mar; ali acabou uma monarquia verdadeira
Dava-se lugar aos republicanos corações
Aconteceu no século XX ali à beira
Na praia dos pescadores, das armações!
Portugal nunca passou da asneira,
Apesar das arribas, haver acenos, choros e emoções,
No Pais persistiu sempre a cegueira!
Ficaram sempre os vendilhões
Mar da Praia da Ericeira! 
 
Daniel Costa









quarta-feira, 11 de junho de 2014

POEMA MAR DA PRAIA DA CALIFÓRNIA


 
 
MAR DA PRAIA DA CALIFÓNIA 

Sonhei com a antiga Macedónia,
Estava perto praia do Ouro
Em Sesimbra, ou na Babilónia?
Em Sesimbra sem desdouro!
Senhora do Mar; sem parcimónia!
Dispõe bem do teu pelouro
Que tudo no teu Mar esteja em sintonia
Que não seja de alegria sorvedoiro
Mar da Praia da Califórnia
Em Sesimbra duradouro
Recordação das caldeiradas de cerimónia
Mistura de variados peixes, seu tesouro!
Já que pode ainda gozar de zona piscatória
Senhora do Mar; o podes ver criadouro!
Sesimbra tem história, além da Praia da Califórnia,
De pendor, humanístico, imorredouro
Bastantes povos, ali iniciaram a lusofonia
Viria mais um seu pelouro!
Parecia guardar a alma na maresia,
Destinada um mundo vindouro
Das praias e dos mares fonia,
No retângulo semeadouro
Mar da Praia da Califórnia! 

Daniel Costa
 





 
 

sexta-feira, 6 de junho de 2014

POEMA MAR DA PRAIA DE MONTE GORDO






MAR DA PRAIA DE MONTE GORDO

Não vislumbrei a ave tordo
Antes de entrar na cidade,
Mar da Praia de Monte Gordo,
Virei à esquerda, senti benignidade,
Pela tranquila maresia senti engodo
Senhora do Mar; confesso a verdade!
Com a decisão estarás se acordo!
A vista do mar estimula a sentimentalidade
O seu interessante transbordo
A fazer sentir a biodiversidade,
Com estímulo, pelo galhardo
Da pombalina capacidade,
De Vila Real de Santo António, no bordo,
Ultrapassando o marmoto com tenacidade
Mar da Praia de Monte Gordo
Praia internacional pioneira, ela e a cidade!
Senhora do Mar; olha o Rio Guadiana, mundo de resguardo,
Resguardo entre Portugal e Espanha, com espontaneidade,
Onde se pode almoçar no estrangeiro, lado esquerdo,
Acompanhar com “una copa” de cerveja fresca de verdade
Como é bom vivenciar o sítio a estibordo!
Degustar camarão em Yamonte, sentir do sabor, a tonalidade
Depois tomar café em Monte Gordo,
Sentir da refeição a internacionalidade
Mar da Praia de Monte Gordo
Já ao pôr-do-sol, um mergulho de saudade
Mar da Praia do Monte Gordo
Sentir a vida como preciosidade!

Daniel Costa




 

terça-feira, 3 de junho de 2014

POEMA MAR DA PRAIA GRANDE






MAR DA PRAIA GRANDE 

Bolota também se designa glande,
Esta não há na paulista Santos
Mar da Praia Grande
De atraentes e quentes recantos
Perguntaram-me: fica onde?
Respondi: é praia cheia de encantos!
Senhora do Mar, não a esconde
Nela pode guardar os seus prantos!
É assim que a milhares responde:
- Até à chegada de colonizadores dos recantos
Índios tupiquinins, não previam vida de conde,
No século XVI, com seu séquito e tantos,
Martim Afonso iniciava o culto da Praia Grande
Depois da Senhora do Mar olhares isentos
 Mar de São Vicente ali estava como brinde
Já no século XX, ficou de agregação acentos
Mar da Praia Grande
 Mas que fascinantes adventos!
Senhora do Mar; avinde!
Vede como para a ternura é de sustentos!
Exala o cheiro do amor que no areal se estende,
Ao som do marulhar, a fascinar em talentos,
É assim que o próprio amor se surpreende,
Felicidade, doce, sem espaventos!
Mar da Praia Grande
Mar transversal a Santos!

Daniel Costas

~