domingo, 6 de dezembro de 2015

POEMA SOPAS DE CAVALO CANSADO




SOPAS DE CAVALO CANSADO
 
De alimentação assisado
Assim tinha de ser o lavrador
Sopas de cavalo cansado
Trabalho sem moderador
Foi assim no século passado
O andamento era acelerador
Foi assim no povoado
Mata - bicho calibrador
Sopas de cavalo cansado,
Alimento penetrador
De açúcar polvilhado
Sopas de pão de trigo operador!
De vinho tinto ensopado,
De duas funções, curador:
- A de manter o físico alimentado:
- A de o manter menos sofredor,
Com a força era então conotado,
A todas as horas, grande vibrador
Sopas de cavalo cansado
Alimento estimulador.
 
Daniel Costa
 

4 comentários:

Carmen Lúcia.Prazer de Escrever disse...

Um poema bem diferente.
Bjs Daniel.

Carmen Lúcia.

Graça Pires disse...

Era assim quando eu era criança... Engraçado você recordar as sopas de cavalo cansado.
Beijo.

Rosemildo Sales Furtado disse...

Belo poema Daniel! Confesso que nunca ouvi falar das Sopas de cavalo cansado. Aqui em Natal tem um tal de Caldo da caridade, que lá em Recife minha mãe chamava de Mingau de cachorro.

Abraços,

Furtado.

Jaime Portela disse...

Comi algumas... e ainda era criança quando as provei pela primeira vez. Teria uns 11 ou 12 anos, já quase homem... eheheh...
Magnífico poema, caro amigo.
Daniel, bom feriado e bom resto de semana.
Um abraço.