A MINHA POESIA - A MINHA VIDA

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

POEMA QUANDO O AMOR PÁRA

 

QUANDO O AMOR PÁRA
Terei recordado a capivara
Submersa num pantanal
Quando o amor pára,
Parou num país tropical
Tomou de café, uma chícara
Pareceu de personagem original
Era num sonho, pudera!
Embora parecesse real,
Da sentimental esfera,
Senti o meu anjo, um ser sobrenatural!
Seria quimera?
Ou desarranjo mental?
Este me impelia para a estratosfera
Como dotado de dom natural!
Novo mundo, outra galáxia, pareceu nova era!
Um gozo original
Lá estavam corcéis à espera,
Atrelados a uma galera especial,
Eis que junto a uma mulher, o amor pára!
Como se fora arraial
Quando o amor pára,
Num mundo espacial!
Num veloz voo que o anjo me ofertara
Deu lugar a uma bonita mulher afinal
Deuses, como por ela me apaixonara!
Quando desperto, no mundo terreal
A minha mente avara!
De um encontro em sonho, se tornasse ideal
Do alto uma voz escutara:
- Olha, sonhaste e desejaste, nada foi virtual:
- Quando o amor pára!
A mulher que viste, viu em ti amor de beleza ritual,
Quando o amor pára.
A mulher sente, o amor reluzente, como vitral.
Quando o amor pára!!!

Daniel Costa




11 comentários:

Severa Cabral(escritora) disse...


Boa noite amigo Daniel !!!!
" O AMOR PÁRA "
Ficar parado pra quê?
Sinta o amor em você, faça tudo acontecer!Mesmo que seja em sonho,mesmo que esteja por traz de uma Galáxia,mesmo assim se faz os dias acontecerem.O amor é tão bonito, tão idealizado,no mundo poético que se dar vontade que parar,só para viver o amor.vejo sempre você fazendo um verdadeiro passeio voando nas asas da poesia e do amor,empregando grandes recordações em cima de uma capivara,rsrsrsrsrsr.
Parabéns meu querido por mais um poema encantador ...
Abç amigo !!!!!!!!

edumanes disse...

Quando parar o amor
Entristece corações
Ficam magoados de dor
Dois apaixonados corações!

Mas agora não vai parar
Ser a penas minha imaginação
Estava um poeta a pensar
Em alto mar numa embarcação
No Oceano Atlântico a navegar!

Seria Camões
Que chegou além mar
Em pequenas embarcações
Foi a outros povos
Nossa cultura levar!

Não vi num pantanal
Muito elegante estava ela
Quem era, Severa Cabral
Sorridente como sempre pudera!

Como sempre também são os lindos poemas escritos pelo poeta, senhor e amiga Daniel Costa!

Boa noite
um abraço
Eduardo.




Everson Russo disse...

O amor jamais para,,,ele está sempre em movimento,,,feito sol..feito lua...abraços fraternos de bom dia pra ti amigo.

Marta Vinhais disse...

O amor renova-se, enraiza-se, insinua-se...
Lindo...
Beijos e abraços
Marta

MARILENE disse...

O amor se movimenta para acompanhar os passos da vida. Belos versos, meu amigo. Bjs.

poetaeusou . . . disse...

*
Meu querido amigo,
,
Guitarras e sanfonas,
Jasmins, coqueiros, fontes,
Sardinhas, mandioca
Num suave azulejo
E o rio Amazonas
Que corre trás-os-montes
E numa pororoca
Deságua no Tejo...
Ai, esta terra ainda
vai cumprir seu ideal,
(in-Chico)
vai, vai e com o reforço de Angola!
,
aquele abraço, fica,
*

Everson Russo disse...

Um bom final de semana pra ti meu amigo...abraços fraternos.

Vera Lúcia disse...


Olá Daniel,

O amor pode transformar-se ou renovar-se, mas nunca parar. É ele que movimenta a roda da vida e traz brilho para os nossos dias.

Poema bem inspirado.

Beijo.

Bandys disse...

O amor faz tudo acontecer. Não se pode parar o amor.
A musa inspiradora cada vez mais linda e elegante.

Boa final de semana
Beijos

Anne Lieri disse...

Daniel,não estava conseguindo comentar nos blogs mas cheguei e achei muito bonito esse amor em poesia e sua musa,nossa querida Severa, está belíssima!bjs,

Everson Russo disse...

Um bom sábado pra ti meu amigo,,,abraços fraternos.