domingo, 16 de fevereiro de 2014

POEMA FÚRIAS


Foi frente a esta escola que então, só tinha andar térreo, que frequentava, que se deram os jogos de hóquei (de imitação, diga-se).
 
      FÚRIAS      

Tempo de jogos; alegorias!
Eram assim comuns as designações
A professora reparou e designou; fúrias!
Observou as habituais aglutinações
Era o rapazio numa ode às alegrias
Desta vez, não se ia jogar com berlindes ou piões
O jogo de hóquei estava nas fobias
Tempo de Portugal, no hóquei dar lições
Os primos Correia eram como Golias
No hóquei patinado, eram gigantões
  Elevavam o nome de Portugal, tinham regalias!
A Emissora Nacional mandava relatar em vários serões
Por Amadeu José de Freitas, também ídolo das nossas fúrias
 Nós miúdos; os íamos imitar, jogando, sem calções
Em homenagem aos internacionais com idolatria
Durante certo torneio de Montreoux, sem confusões
Ganharam e elevaram a Pátria sem euforias
Mais uma vez foram internacionais campeões
Confesso que por eles em mim ficaram idolatrias
A bola é transportada por Jesus Correia sereno, sem interrupções
Este passa para Correia dos Santos… Golo!... Magias!...
De hóquei em patins, ídolos sem ilusões
Era em terreno livre, frente à escola, não eram lérias
Os primos Correias da infantilidade ídolos, paixões!
Cerca de vinte anos depois, falava com os dois – Dia de alegrias!
Naturalmente, sem divinações,
Fúrias?!
 
Daniel Costa

8 comentários:

Bandys disse...

Há esportes que são jogados com furiaS.

gOSTEI dos texto

Beijos

✿ chica disse...

Lindas recordações , poesia linda e bela escola! abraços,chica

Dorli disse...

Daniel,

Senti sua falta, como sempre dizia minha mãe:
"Que vê cara não vê coração"; você não sabe nada do ocorrido anteriormente.
Mas, logo tudo será esclarecido, aqui onde moro tem 30.000 habitantes e todos me conhecem, eu sou o que escrevo no blog.
Boas lembranças suas.
" Eu não entendo quase nada de Internet, meu filho quem me ajuda"
Obrigada
Lua Singular

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Jogaste até o hóquei. Poema e vídeo brilhantes.
Beijos, querido amigo, sem fúrias.
Renata

Marta Vinhais disse...

E um bom jogo recorda-se sempre...
Gostei...
Beijos e abraços
Marta

Anne Lieri disse...

Para um bom jogo tem que ter essa fúria,essa garra! Linda sua poesia! bjs e boa semaninha!

MARILENE disse...

Daniel, lembranças que ficam para sempre. Escola, amigos, brincadeiras. Uma parte especial de nossa infância. Bjs.

Vera Lúcia disse...


Olá Daniel,

Lembranças são um presente da memória.
Belos momentos retratados no poema.

Abraço.