A MINHA POESIA - A MINHA VIDA

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Poema






Activista na luta contra a violência doméstica

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

E A MULHER


Um ser humano uma mulher
Tem sentimentos apurados
Mais sensível que um homem qualquer
A avó, a mãe, a filha, a amante
Por vezes a secretária
Eis a fusão de sentimentos da mulher
Sua sensibilidade, sua humanidade
Complementam a amizade que se quer
Quando homem e mulher se unem
Há dois corações
A princípio amantes que se fundem
Na cordialidade
Devem cultivar um grande amor
Amor de humanidade
Poderá fenecer o amor
Nunca o sentido da humana lealdade
Conjugaram-se homem e mulher
Que nunca falte sinceridade
Podem acabar os amores carnais
Jamais o amor de humanidade
Há mulheres que também usam rebeldia
Tanto ela como ele
Terão presente uma mente doentia
Será necessário
Ter o sentido do humanismo em dia
Acabar o amor hoje, não dispensa
Se pense na sensibilidade do amor de outro dia
Homem e mulher juntos formam uma unidade
Biologicamente diferentes, é certo
O fim deve ser amar até a eternidade
Excluam-se violências
Faltas de humanidade
Não pactuemos com um mundo onde
Prolifera a insanidade, quiçá a maldade
A mulher a sofrer as loucuras
A doentia desumanidade

 

Daniel Costa




12 comentários:

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Olá, Poeta Daniel!

"Um ser humano uma mulher
o sentido do humanismo em dia
grande amor
Amor de humanidade"

Amor Humanismo contra a violência, belo!

Obrigada, meu amigo
Beijos
Bom Dia,
Renata

Andresa disse...

Violencia domestica para mim é = covardia.
Quem pratica tal ato é um covarde da pior espécie...
Se faz de machão mas no fundo tenta aplicar isso em uma força inferior que não conseguirá revidar ao mesmo nível.
Que Deus não ponha um desse no meu caminho..rsrsrs que virará uma gazela....

Lindo texto amigo, de um assunto extremamente importante ....

Um otimo final de semana

Andresa

angela disse...

Bonito poema Daniel.
É importante manter o amor e não nos tratarmos como coisas descartaveis.
beijos

SAM disse...

Daniel, um poema alerta e de importância fundamental. E repito o que deixei na amiga Ana e o que tenho a dizer :A dor da violência doméstica é tão grande que atinge uma família inteira e por certo, a sociedade.


Carinhoso beijo, querido amigo! Obrigada

Ana Martins disse...

Olá Daniel,
Que esta mensagem de amor e respeito ao próximo seja lida e compreendida por muitos milhares de pessoas.
O mundo está demasiado violento e dá a impressão que as pessoas estão a perder a sensibilidade e o respeito pelo seu semelhante.

Beijinhos,
Ana Martins

Everson Russo disse...

Meu amigo, só voce mesmo com essa sensibilidade, com esse coração tocado por anjos pra fazer um poema, belissimo, falando de violencia e mulher, de uma coisa tão feia, a violencia, e outra tão linda, a mulher, parabens mais uma vez pela sensibilidade, acredito eu que numa mulher só podemos bater com a maciez das petalas das rosas, com o sopor leve do luar, com os toques de carinho, com amor, acredito que a maior violencia que podemos ter contra elas é pegar uma caneta e escrever um poema de amor pra elas....mulher é essencia de tudo, de amor de paz, tem que ser tratada com carinho, com desejos, com amor....abraços amigo e um dia cheio de paz....

Ana Martins disse...

Caro Daniel,
ontem estive cá, mas esqueci-me de dizer que no Ave Sem Asas há uma DECLARAÇÃO DE AFECTO onde o Daniel está incluido.

Beijinhos,
Ana Martins

Val Du disse...

Daniel

Quanta sensibilidade você tem. Como você está atento ao que acontece no mundo.
Você é realmente uma pessoa especial.

Beijos.

poetaeusou . . . disse...

*
na mulher
nem com uma flor,
é trivial,
mas verdadeiro !!!
,
abraço,
*

nely disse...

NÃO P/ TODA VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES.

ABRAÇOS.

Parapeito disse...

Bom dia Daniel
Cheguei até aqui pelo Mundo Azul...
Um poema infelizmente mto real :( só em portugal morreram ja este anos vitimas de violência doméstica 27 mulheres!!
Deixo aqui tambem um recado que foca este tema tão vergonhoso ..
*
*
Primeiro o Espanto!...
Depois
O Sentir...
Depois
A Derrocada...
ficar esmagada nos escombros
dos sonhos
quebrados a murros.
Depois
Os Gritos Mudos
que pintam de sangue
as paredes do doce lar...
Depois
O entrar da noite
pelos olhos negros
que fingem que dormem.
á espera de uma nova manhã
desalmada...
Depois
Uma Certeza!
Que o sol brilha!
e que vai dourar a pele
em tons de pesadelo.
Depois...
Primeiro...a derrocada...os gritos mudos...o espanto?
E depois?
E depois?

maria loBos
(Nunca a mão que esbofeteia e humilha volta acarinhar...Acredita)
.
Um abraço *

Laurita disse...

Olá Daniel, poeta, sonhador, defensor da injustiça... grande alma meu amigo, alma de poeta é assim. Obrigado pela visita e lindas palavras, mas não há dúvida que amor de mãe, pai, avós é assim mesmo. Embora eu seja suspeita convido-o a ir ao meu outro blog ascoisasdalaurinha.blogspot.com e veja os olhos da minha filhóta. Adorei o seu poema. É LINDO. BEIJÓCAS