sexta-feira, 25 de setembro de 2015

QAUANDO FUI DA CIVIL CONSTRUÇÃO



QUANDO FUI DA CIVIL CONSTRUÇÃO
 
Digo e redigo, sou filho varão
Talvez bastante industrioso
Quando fui da civil construção
Era bem novo, quiçá laborioso
Por me sentir em coo produção
Ou sentia apenas gosto saboroso
Adolescente, interagi em electrificação
Do meu rincão sempre atencioso
Depois trabalhei nas obras, nova função
Em edifícios, sempre buliçoso
Participar em concerto de estrada foi ocasião
 Trabalho rural, onde fui esperançoso
Procurei não precisar de procuração
Para o meu sentir ambicioso
Muito menos frustração
 Sentir de júbilo radioso
Quando fui da civil construção.
 
Daniel Costa
 
 

 

 

 

4 comentários:

Carmen Lúcia.Prazer de Escrever disse...

Uma profissão linda Daniel.
Deve se orgulhar em ter sido um civil da construção.
Bjs e um ótimo final de semana.
Carmen Lúcia.

Ivone disse...

Amigo Daniel, muito bom ler aqui, seus belos poemas rimados nos dando lindo exemplo de vida, sua satisfação em ter vencido todos os desafios, pois quem tem muitos ofícios nunca fica empobrecido, és rico meu amigo, parabéns por sua linda vida!
Abraços bem apertados!

Marta Vinhais disse...

Uma vida bem vivida... cheia de memórias....
Brilhante...
Beijos e abraços
Marta

MARILENE disse...

Daniel, o exercício profissional sempre deixa lembranças. E alguns passam por vários caminhos antes de se firmar em um trabalho. Memórias ricas, a inspirar seus versos. Abraço.