domingo, 18 de outubro de 2015

POEMA A SOPEIRA E O MAGALA





A SOPEIRA E O MAGALA
 
Verdadeira opala
Em tempos, em Lisboa
A sopeira e o magala
Recordar não é à toa
Aos Domingos, era à pala
Folga dava a patroa
Nos bailes abriam a ala
Certos pares rodopiam na proa
A sopeira e o magala
Menos em Domingo de Páscoa
Férias de gala
Se ia em procura da broa
Festa de mesa na sala
Na aldeia, tudo virava pessoa
Ao tempo, a época era de escala
Revolução estava na névoa
Tudo era rara mandala
Quiça antinódoa
Que a sociedade propala
Fragmentada amêndoa
A sopeira e o magala.
 
Daniel Costa

7 comentários:

Blog da Gigi disse...

Lindo final de tarde!!!!!! Abraços

✿ chica disse...

Adorei,Daniel! Muito legal! abração,chica

Ivone disse...

Que lindo, amei ler os versos sobre o soldado, a alegria de domingo de Páscoa e feriados de gala,poder festejar!
Abraços amigo Daniel, sempre com versos lindos e bem rimados!

MARILENE disse...

Lembranças que marcaram época, Daniel, e sobre as quais você faz versos. Muito bom!!! Abraço.

Bandys disse...

OI Daniel,

poetizar as lembranças é sempre um sinal
de ver o mundo cor de rosa.
Beijos

Graça Pires disse...

Memórias de outros tempos que as fotografias e o seu poema ilustram bem...
Beijo.

Pedro Luso disse...

Parabéns, caro Daniel, pelo seu "A SOPEIRA E O MAGALA", poema que me fez imaginar tempos d'antanho. Muito bom.
Um ótimo final de semana.
Um abraço.