A MINHA POESIA - A MINHA VIDA

quarta-feira, 3 de junho de 2009

poema

Daniel:
Vamos selar a nossa amizade?
Um beijo,
Renata


(59-1-1-1-1.jpg):


Curiosamente, a amiga RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO ofereceu-me este selo há cerca de um ano. Nunca desperei, porém apenas agora consegui saber como postar.
Muito agradecido, Renata, pela compreenção amizade e, porque não dizê-lo: humanidade!...
Ah, admiro-a e admiro o seu blogue. Recomendo-o, tendo em conta que apenas recomendo o que aprecio.

MULHER QUE PASSA

Quem sabe o que se passa
Nessa flor feita mulher
Que na Avenida passa
Lá vai ela, vai singela
Sempre cheia de graça
Se vai vaporosa
O olhar esvoaça
Se o glamour estremeceu
O semblante vai cinzento
Passa como desgraça
Quem pode saber
No que pensa, o que se passa
Como a flor que murcha
A mulher que não esvoaça
Pode andar o amor
Em clima de desgraça
Mulher alheada, circunspecta
Será sempre bonita
Será, porém como Avenida deserta
Se esvoaça
A lhaneza é aberta
A flor, a mulher
Observando, vai desperta
Qual flor sorridente
Convive com o amor
Este não está dormente
Há felicidade no ardor desse glamour
Ali vai ela passando tranquila
A felicidade patente
Transmite-se
A mulher parece borboleta
A esvoaçar contente
Borboleteando
Aí passa ela, segue sorridente

Daniel Costa


14 comentários:

Whispers disse...

Wow,Daniel.

Maravilhoso poema,uma homenagem a Mulher
Mulher que passa
Cabeça baixa,olhar distante
Oculta segredos,esconde mistérios
Vida de Borboleta,queimando as asas
Mas sem medo voando sempre alto.

Hoje escrevi um post,falando em Borboleta,chego aqui e leio o teu,fico encantada.
beijinhos mil
Rachel( Whispers)

SAM disse...

Quanta beleza em foto e poema, Daniel! Belíssimo poema, amigo.

Grande beijo

Ana Martins disse...

Caro Daniel,
Bela homenagem num magnifico poema.

Grata pelo selinho, farei seguir as regras no meu próximo post

Beijinhos,
Ana Martins

Lethéia disse...

Se tem uma coisa q gosto são flores...lindo poema!

Sonia Schmorantz disse...

Adorei...é preciso esvoaçar para não deixar ver as imperfeições também, e permanecer sempre bela!
Um abraço

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Que lindo e maravilhoso poema você compôs a todas as mulheres, Daniel! Formidável!
Um dia vamos publicá-lo no FEMININA?
Um beijo,
Renata

Roderick disse...

E a foto? De algum amor antigo?

Val Du disse...

Um poema muito bonito.

Beijos.

Bandys disse...

Daniel,
Super agradecida pelo selo, muito mesmo!

cada amigo que conquistamos,
é uma flor no jardim da nossa vida,
porque amizade se conquista
aos poucos ao dia a dia.
Essa flor é pra lembrar a você que estou
presente sempre...
Mesmo distante.
E mostrar pra você,
que sua amizade é importante pra mim!!!
Uma flor para
............. / .\. \.....Alegrar o seu dia,
........... / . . \ ..\ ..Para perfumar
......... / . . . `\ ..\ A tua alma
........ |. . . . . |. ..|Encher o
......... \ . . . ./ . ./.Teu coração
........... `=(\ /.=´.De Amor...
............. `-;`.-' ...Para te alegrar...
................ || _.-'| .Uma flor para
............. ,_|| \_,/ ..Te mostrar o mundo
........ , .... \|| .' ....Pleno de Amor,
...... |\ |\ ,. ||/ ......Felicidade,
....,.\` | /|.,|Y\, ....Amizade,
.....'-...'-._..\||/ ....Carinho
......... >_.-`Y| .....E Paz!
.............. ,_|| ......Uma flor para
................ \||.......Te desejar
................. || ......Tudo de bom

Beijos mil

jo ra tone disse...

Mulher vive-se, respira-se,
respeita-se, ama-se.
Um grande homem deve ter sempre ao lado uma grande mulher.
Boa homenagem

xistosa - (josé torres) disse...

O poema fez-me lembrar o de Fernando pessoa:

"Quando eu me sento à janela
P'los vidros qu'a neve embaça
Vejo a doce imagem d'elia
Quando passa... passa.... passa...

N'esta escuridão tristonha
Duma travessa sombria
Quando aparece risonha
Brilha mais qu'a luz do dia.

Quando está noite ceifada
E contemplo imagem sua
Que rompe a treva fechada
Como um reflexo da lua,

Penso ver o seu semblante
Com funda melancolia
Qu'o lábio embriagante
Não conheceu a alegria

E vejo curvado à dor
Todo o seu primeiro encanto
Comunica-mo o palor
As faces, aos olhos pranto.

Todos os dias passava
Por aquela estreita rua
E o palor que m'aterrava
Cada vez mais s'acentua

Um dia já não passou
O outro também já não
A sua ausência cavou
Ferida no meu coração

Na manhã do outro dia
Com o olhar amortecido
Fúnebre cortejo via
E o coração dolorido

Lançou-me em pesar profundo
Lançou-me a mágoa seu véu:
Menos um ser n'este mundo
E mais um anjo no céu.

Depois o carro funério
Esse carro d'amargura
Entrou lá no cemitério
Eis ali a sepultura:

Epitáfio.

Cristãos! Aqui jaz no pó da sepultura
Uma jovem filha da melancolia
O seu viver foi repleto d'amargura
Seu rir foi pranto, dor sua alegria.

Quando eu me sento à janela
P'los vidros qu'a neve embaça
Julgo ver imagem dela
Que já não passa... não passa."

Não foi para fazer comparações, mas a nostalgia do que não lia há muito, muito tempo.

Felizmente continuam a passar ...

Um abraço.

Faces de Mulher disse...

Linda poesia Daniel...
Que traz em seus braços a mulher e seus segredos sedutores...
Gostei de estar aqui...
Que você tenha um ótimo fim de semana...
Chrys
;)

Mariana disse...

Um ótimo final de semana.
Beijo

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Daniel, desculpe-me vir só agora falar do selo, mas só hoje saí mais cedo do trabalho.
Meu amigo, não consigo visualizá-lo!
Será que os outros conseguem?
Beijos,
Renata