A MINHA POESIA - A MINHA VIDA

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Poema

Foto Isabel Almeida: antigos barcos rabelos, que transportavam o vinho do Porto, pelo Rio Douro para Vila Nova de Gaia, que se avista na outra margem


A VIAGEM

Num dia de solidão
Concebi uma viagem
Desde então a minha vida
Conheceu uma viragem
Esvoacei até ao infinito
Avistei um mundo esquisito
Um primeiro a apregoar milhões
Povo apenas com miragens
Onde apenas chegam tostões
As farturas no reino
Pareciam ser tantas
Eram bravatas afinal
De quem veio falar de beatas
Aconteceu em Portugal
Um país de beleza natural
Onde há homens
De tamanha pequenez
Foi assim que Deus os fez
A apregoar riquezas
Onde apenas há mesquinhez
Que caminho segue Portugal?

Daniel Costa

13 comentários:

Everson Russo disse...

Meu amigo, de vez em quando a gente tem que sair mesmo em viagens, principalemte essas viagens que nos levam ate o infinito, lugares desconhecidos da nossa alma, uma busca dentro de nós mesmos, sensaçoes diferentes, encontros diferentes, pensamentos distantes, e venha o que vier,o importante é encotrar a paz...forte abraço e um belo final de semana pra ti...

Val Du disse...

Que caminho?

Amigo, gosto muito de suas reflexões em forma de poema.

Um grande abraço.

varal experimental disse...

"Uma viagem profunda"

Bjus

Andresa disse...

uma viagem de reflexão... Devemos sempre fazer uma viagem para o infinito e descobrir nossos horizontes....
Bjs
Andresa

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Olá, Daniel!
Passei só para desejar-lhe Bom Dia e Boa Tarde, pois a coisa hj está difícil, tudo por fazer ainda.
Por ora, meus beijos e meus carinhos,

PS: Depois volto e o comento!

Marta disse...

Sinceramente não sei..
Como sempre, um poema interessante e que pede uma reflexão mais profunda.
Já respondi ao teu pedido.
Beijos e abraços
Marta

VANUZA PANTALEÃO disse...

É verdade, meu amigo!
Ao nos distanciarmos é que conseguimos enxergar a mesquinhez humana.
Parabéns, Daniel!!!Bjssss

Sonia Schmorantz disse...

Um poema especialmente bonito!
abraço, lindo final de semana

Daniel Costa disse...

Valenita

Esquecia-me: no - adiafa filatelia, a capital do Brasil filatélico está na cidade de Évora, no Alto Alentejo, Portugal. Está novo link, de São Paulo.
Beijos
Daniel

Everson Russo disse...

Meu amigo poeta, venho trazer o meu sincero abraço pra desejar a voce e toda sua familia um sabado de paz e serenidade...

SAM disse...

Daniel,

um belo poema, como de hábito, e uma reflexão sempre sensível e oportuna.


Carinhoso beijo e lindo fim de semana!

* email enviado.

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Olá Daniel!
Parece que todos os Poetas e Poetisas estão gostando mesmo de viajar até o infinito e pousar em algum lugar que lhe atraia, embora lhe cause a impressão de ser esquisito. O seu foi Portugal. Logo à primeira, nos primórdio da terra d´além mar, em que o Reino era farto e iludia o povo com promessas, ao passo que em suas mãos só lhe ficavam tostões. Mas não só o povo se iludia, o Reino também, porque "apregoava bravatas". Uma terra de beatas, de homens pequenos, que dizem ser ricos, mas na verdade são mesquinhos. O Poeta pergunta para onde irá Portugal? Quem dá uma passada de olhos no poema, mas não o lê mesmo, pode pensar que o amigo é pessimista. Mas como o conheço muito bem, sei que não o é, e o próprio Poeta o diz na coda: "um país de beleza natural"
Então, desfrute dessa beleza logo, antes que acabem com ela, Carpe Diem, amigo! Excelente poema!
Bom dia, querido!
Beijos,

xistosa - (josé torres) disse...

Daniel Costa

Não há nada como uma boa viagem até ao infinito prazer de um vinho generoso, que quase todos chamam de Porto.
Ainda ando a investigar se os rabelos desciam o rio, ou subiam, para arejar o vinho e aproveitavam para juntar alguma água, que a fartura acima da qualidade.
É o que se passa neste nosso Portugal.

Um abraço.