A MINHA POESIA - A MINHA VIDA

domingo, 24 de julho de 2016

POEMA MONTEMOR - o - VELHO




MONTEMOR – o - VELHO

Da cultura é espelho,
Que se reflectiu no Munda,
Montemor – o – Velho
Rio Mondego de corrente fecunda,
Oh!… Munda de outrora, banhas o concelho,
Espraiando cultura profunda
Sentida, até nos arrozais com brilho
Que nos teus poetas é explicanda,
Afonso Duarte, poeta de moldura e caixilho,
Na casa que o seu espírito comanda,
 Ereira que dos arrozais é, toalha
Biblioteca, veneranda
Tendo o poeta como evangelho
Poderá dizer-se, alma profunda!
O velho castelo, relíquia, estribilho
 Cultura museológica é de leccionanda
A recordar árabes e moçárabes, trilho!
Abade João, voz ecoando, intervinda
Montemor – o – Velho,
Vila linda!

Daniel Costa


5 comentários:

Carmen Lúcia.Prazer de Escrever disse...

Que linda homenagem a esse poeta!
Bjs Daniel e uma ótima semana.
Carmen Lúcia.

Pedro Luso disse...

Caro Daniel,
Com esse seu poema você presta uma bela homenagem
ao poeta Afonso Duarte. Nada mais justo.
Um abraço.

Ivone disse...

Bela homenagem ao poeta, isso é lindo demais!
Amigo Daniel, sempre bem inspirado!
Abraços bem apertados!

Graça Pires disse...

Afonso Duarte, um poeta tão esquecido... Bonita homenagem. Montemor-o-Velho fica pertinho da minha terra, a Figueira da Foz. Foi um gosto lê-lo, Daniel.
Uma boa semana.
Beijos.

Dorli Ramos disse...

Uma linda homenagem com essa poesia.
Adorei
Quanto a mim, as dores são insuportáveis, mas estou com o melhor médico e se Deus quiser tudo isso irá acabar
Beijos
Minicontista2