A MINHA POESIA - A MINHA VIDA

terça-feira, 21 de julho de 2015

POEMA ARRE BURRO



ARRE BURRO

 

Balada de esturro!

Asinino em extinção

Arre burro!

 Mereceu atenção

Não se fez casmurro

Na quietude deu lição

Sem arreata ficou,

Quieto fez tenção

O dono, da água-pé provou

Daniel Oliveira, o manjericão!

O burro quieto, descansou

Da longa caminhada de supetão

Desde o pinhal de Leiria, suportou

O dono descalço era mocetão

A dupla ali deixou

Dois molhos de caruma, em jeito de festão

A estratégia os arrumou

Dependurados no dorso, do valentão!

A memória se guardou

O aconteceu em 1948, então

Em matança, o porco esticou

A caruma fez tição

Arre burro!...

 

Daniel Costa

 

 

9 comentários:

Bandys disse...

Oi Daniel,

você sempre surpreendendo.
maravilha.

beijos

Carmen Lúcia.Prazer de Escrever disse...

Uma poesia bem engraçada.

Gostei Daniel.

Bjs-Carmen Lúcia.

Magia da Inês disse...

╰✿づه°
Arre burro!
Arre lembranças!

Ótimo dia cheio de alegrias!
Beijinhos e tudo de bom nesse restinho de semana!
.· °ه╰✿づه° ·.

MARILENE disse...

Você é muito criativo, Daniel! E sempre aproveita um acontecimento para transformá-lo em poesia. Abraço.

Rosemildo Sales Furtado disse...

Olá Daniel! Passando para agradecer a tua visita e amável comentário deixado no nosso Literatura & Companhia Ilimitada, assim como me deliciar com a leitura de mais um dos teus belos poemas.

Abraços,

Furtado.

Felisberto N. Junior disse...

Olá,Daniel, gosto de suas rimas- parece me as antigas lengalengas- com valor e contexto próprio... o burro está à beira da extinção e não merece a imagem que dele se criou, ainda mais que, em uma sociedade onde as pessoas articuladas e bem falantes são mais valorizadas, poucos reconhecem a importância dos quietos , que conseguem ,na miúda,seus intentos ,enquanto outros urram tanto que acabam "esticados"...
Agradecido, belos dias,abraços!

Vanuza Pantaleão disse...

Daniel, desculpe-me a demora, mas estou tirando umas pequenas férias virtuais, mas depois eu volto com força total [risos]. Você conhece o meu temperamento otimista, mas o corpo e a alma também precisam de repouso e meditação.
Olha, esse poeminha do burro é uma lição e tanto para nós, dito civilizados.
Adorei, amigo!Beijão no coração!!!

lua singular disse...

Oi Daniel
Não consigo subir nem na bicicleta quanto mais num burro.kkk
Adorei: arre burro!
Obrigada pelo incentivo.
Beijos no coração
Dorli

Graça Pires disse...

Os burros são animais do meu agrado... Gostei deste "arre burro".
Beijo.