A MINHA POESIA - A MINHA VIDA

quinta-feira, 9 de julho de 2015

POEMA A COSTUREIRINHA



A COSTUREIRINHA

 

Parecendo maneirinha

Poder de avassaladora

A costureirinha,

Género aniquiladora

Sempre montada, a turrinha!

De hordas - Congeladora

Factor de amiguinha

Nas picadas de outrora,

Em estrutura verdinha

No nascer de outra aurora

A costureirinha

Gente retrógrada, mobilizadora,

Estrutura mesquinha

Guerra aterradora

Mocidade fresquinha

Ao comando da metralhadora

A escoltar toda a linha,

De tranquilidade insufladora

A costureirinha,

A pesada metralhadora,

A costureirinha

Essa agora!

 

Daniel Costa

 

 

 

 

 

8 comentários:

Carmen Lúcia.Prazer de Escrever disse...

Uma linda poesia em homenagem a costureirinha.
Bjs Daniel.
Carmen Lúcia.

Rosemildo Sales Furtado disse...

Olá Daniel! Passando para agradecer a tua visita e amável comentário deixado no nosso Literatura & Companhia Ilimitada, bem como apreciar mais uma das tuas belas criações.

Após a leitura do teu belo poema, não resisti e escrevi a baboseira abaixo:

Não só a costureirinha,
Mas também, o vil fuzil,
Deviam encher de balinhas,
Aquele que os adquiriu.

Abraços,

Furtado.
Também: http://arteemoes.blogspot.com.br

Bandys disse...

Ola Daniel,

Adorei o poema.
Muito singelo.

Beijos

PERSEVERÂNÇA disse...

Passando para agradecer sua visita ao blog e pelas palavras de afeto durante minha ausencia enquanto cuidava de minha mãe doente.. Muito obrigada.
Quanto ao seu poema, você sempre nos surpreendendo com palavras encantadoras, não importa se felizes ou não,mas sabe mostrar que as letras obedecem e se colocam maravilhosamente. Nicinha

Graça Pires disse...

Essa agora! Também digo eu...
Abraço, amigo.

Marta Vinhais disse...

Memórias....Gostei muito...
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

lua singular disse...

Oi Daniel
Boas e más recordações de um tempo doído de outrora.
Ainda bem que vocês estão aqui para conta4. E a costureirinha?
Beijos no coração
Dorli

MARILENE disse...

Mesmo tempos difíceis deixam lembranças doces. Muito bom, Daniel! Abraço.