A MINHA POESIA - A MINHA VIDA

domingo, 24 de abril de 2016

POEMA QUANDO EU FUI MARCENEIRO



QUANDO EU FUI MARCENEIRO
 
Porque não carpinteiro?
Profissões de trabalhar madeira!
Quando eu fui marceneiro
Das horas livres, arrumadeira
Seria forma de cancioneiro?
Comigo não foi brincadeira
De criança sagaz altaneiro
Até fabriquei de costaneira,
Para coelhos andar soalheiro,
Para galinhas, palácio – capoeira,
 Eficaz, mestre presenteiro
Banca para trabalhos de rendilheira,
Jogos de matraquilhos, sem empreiteiro,
Construí de forma rotineira,
Mesas secretária, sem dinheiro,
A imaginação resolvia à maneira
Vim a construir escritório verdadeiro,
Magia tenaz e urdideira,
De editor, com ademanes, fronteiro
Resultou abençoadeira,
Quando eu fui marceneiro.
 
Daniel Costa
 
 
 
 

10 comentários:

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Belo poema de vida, querido! Parabéns*
Beijo e bom dia*

Ivone disse...

Todas as profissões ficam altamente em bom conceito com os belos versos que nos mostram o quanto que há de honra e amor em tudo o que se faz com zelo!
Amei ler amigo Daniel!
Abraços apertados!

Marli Terezinha Andrucho Boldori disse...

Querido amigo Daniel, que belo poema " Quando eu fui marceneiro", me fez lembrar do meu querido pai, que por 23 anos foi marceneiro, era o entalhador mais procurado na época. Os móveis que ainda guardamos, trazem a sua marca registrada literalmente, na madeira de lei.Foi um artista da madeira, mais tarde trabalhou com esculturas , fazendo todo o imaginável em um tronco qualquer.Nota máxima ao seu talento, meu querido amigo. Grande abraço!

Carmen Lúcia.Prazer de Escrever disse...

Adorei ler e saber um puco mais de você Daniel,além de um maravilhoso escritor e poeta.
Bjs,obrigada pela visita e uma linda semana.
Carmen Lúcia.

✿ chica disse...

Mais uma profissão e habilidade? bELA POESIA! ABRAÇÃO,CHICA

Rosemildo Sales Furtado disse...

Olá Daniel! Mais uma vez, nos brindas com um belo poema. A marcenaria é uma arte que produz maravilhas.

Abraços,

Furtado.

Maria Luiza Silveira Teles disse...

Daniel:
Obrigada pelo incentivo! Tantas vezes tenho pensado em acabar com o blog, mas um elogio vindo de um grande poeta como vc me faz repensar.
Belíssima esta sua poesia, em que encarna um marceneiro. Isto, porém, é bem simples para vc.
Um grande abraço de sua amiga brasileira,
Maria Luiza

Minda Silva disse...

Toda profissão é digna de respeito e admiração, e quem imaginaria que se tornaria poema?
Adorei o modo como a descreveu ... ficou perfeito!

Bjos
Minda ❤ 😍

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Que saudades de você, Daniel. Vou te mandar uma imagens.
Beijo*
Olha, publiquei outra poetisa lá no Poesia. Se puder, apareça.
Bom dia*

Jaime Portela disse...

Esta dúzia de poemas "quando eu fui..." é magnífica, desde o primeiro até este.
Caro Poeta, parabéns pelo talento poético das tuas palavras.
Bom fim de semana, amigo Daniel.
Abraço.