segunda-feira, 4 de abril de 2016

POEMA QUANDO EU FUI OPERÁRIO



QUANDO EU FUI OPERÁRIO
 
Jamais fui mandatário,
Naturalidade e humildade
Quando eu fui operário,
Moratória de sazonalidade,
Construção de itinerário
Empedrado de atratividade
Qualidade de binário
Picaretas de felicidade
Reinos do extraordinário
Veracidade e integridade
Como se fora expedicionário
Verão alta tensão – electricidade
Picareta e enxada de cabo paritário
Buraco, poste em comunidade,
Erguido, passionário
Destinado à corrente da localidade
Subida, cinturões de relicário,
Operário em construção, efetividade
Tijolo, transportado, unitário,
À formiga, elasticidade
Mundo feliz paritário,
Mundos de simplicidade
Quando eu fui operário.
 
Daniel Costa
 
 

12 comentários:

Vera Lúcia disse...


Olá Daniel,

Acho bacana este poetar sobre suas experiências profissionais. Todas valorizadas e reconhecidas. Afinal, fazem parte de sua história de vida.
Interessante a colocação "Picaretas de felicidade". Muito se aprende em meio à simplicidade.

Abraço.

Sonia Pallone disse...

Me lembro que sempre te visitava Daniel, e agora, estou feliz por voltar ao meu Solidão de Alma. Te vi na página da Marilene e corri aqui pra te deixar carinho. Beijosss

Carmen Lúcia.Prazer de Escrever disse...

Lindas as suas experiencias de trabalho amigo Daniel!
Quanto mais simples,mais somos queridos.
Bjs-Carmen Lúcia.

Ivone disse...

Amigo Daniel, para se chegar ao ponto de poder poetar assim, com toda essa sabedoria e uso da linguagem rebuscada é preciso ter todas as experiências de vida e você teve, isso é que é viver de verdade, acho que a sua história é muito rica, muito edificante, adoro te ler, tens muito a ensinar e eu aqui, muito a aprender!
Amei imensamente esse seu lindo poema, "quando fui operário", nossa, lindamente exposto, li e reli gravando cada palavra!
Abraços bem apertados amigo muito querido!

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Até operário vc foi, Poeta. O poema é de mestre.
Beijo e bom dia*

Marta Vinhais disse...

Mais um poema sobre a vida... O que se aprende nela...
Beijos e abraços
Marta

✿ chica disse...

Um poema da vida e era tudo tão diferente,não? Lindo! abração,chica

MARILENE disse...

Li seu rico poema no face. Operários constroem dentro de uma simplicidade bela, nem sempre reconhecida. Uma época de sua vida que contribuiu para formar o ser humano talentoso que conhecemos. Abraço.

Maria Rodrigues disse...

Um poema magnifico de quem já tanto lutou pela vida.
Beijinhos
Maria

Maria Luiza Silveira Teles disse...

É muito interessante a sua forma de fazer poesia. Única,original e bela!
Um abraço,
Maria Luiza

António Jesus Batalha disse...

Estou a tentar visitar todos os seguidores do Peregrino E Servo, pois por uma acção do google meu perfil sumiu e estava a seguir o seu blog sem foto e agora tive de voltar a seguir, com outra foto. Aproveito para deixar um fraterno abraço e muita paz e saúde.
António Batalha.

Malu Silva disse...

Muito bacana e ímpar sua forma de escrever. Gosto de andar pelos blogs e poder ver a diversidade que existe nesse mundo.
Se desejar venha conhecer meu espaço também!!
Um bom dia!