A MINHA POESIA - A MINHA VIDA

domingo, 15 de fevereiro de 2009

poema

BERLENGAS

Berlengas Ihas sem par
Assim é o famoso
Grupo montanhoso
Ali no alto mar
A algumas milhas
De Peniche do outro mundo
Grande cidade piscatória
Também foi ilha de mar sem fundo

Se observados com atenção
Aquando do mar ameno
Depois no de arrepiar
Contemplam-se paisagens
Maravilha, onde
Deus deixou um altar

Berlenga o farol, ruge e silva
Rompe nevoeiros
Nos dias de trevas
Silvos, mais clarão
Orientam marinheiros
Regressando, do mar então

No do Cabo Carvoeiro
Está o velho Santuário
Da Senhora dos Remédios
Desabafam tormentos
Imploram
Deixam agradecimentos

Daniel Costa

11 comentários:

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Que belo poema, Daniel! E vc me vai desvendando coisas de que sempre ouvi falar, mas nunca pude visitar. O Cabo Carvoeiro, por exemplo. Vc é mesmo um grande poeta. Parabéns.
Publiquei no Galeria. Dá um pulo lá.
Um abraço,
Renata

Ana Martins disse...

Caro Daniel,
Muito lindo, uma belíssima homenagem a uma das maravilhas do nosso Portugal.

Beijinhos,
Ana Martins

Desnuda disse...

Quanta beleza...Sonhei Daniel... Fui pintando mentalmente estas belas imagens descritas com beleza e ternura.Nossa Senhora dos Remédios! Obrigada, amigo...


Grande beijo

Sonia Schmorantz disse...

Por tuas palavras aos poucos se conhece lugares, e de modo especial, porque contam o cotidiano, a normalidade da vida neles.
um abraço e boa semana

Laura disse...

A Neide esteve lá uma semana a ajudar a limpar as gaivotas e o lixo que elas faziam e fazem...Uma tristeza, mas tem de ser, acho mal, mas quem manda é quem sabe...ela adorou estar ali, andou de barco, mota dágua e que delicia. Eu não conheço. beijinhos.

poetaeusou . . . disse...

*
há muitos anos,
tinha 7 anos,
inauguração da "ronca"
sirene de aviso
quando está nevoeiro, fiz
a viagem nazaré-berlengas,
foi a minha primeira vez,
,
Senhora dos Remédios
na festa do Mar
da Senhora da Boa Viagem,
,
deixa-me incluir o
Forte de Peniche
no poema, hoje o
Museu da Resistencia.
,
abraço.
,
*

Mariazita disse...

Porque vou ausentar-me a partir de hoje à noite e até meados da próxima semana, não poderei, neste período, fazer, como tanto gosto, as habituais visitas e comentários.
No entanto deixarei programado (assim espero!) um post para ser publicado na quinta-feira (Anita) e outro para domingo, que, se quiseres, podes ir ver.
Hoje ainda, tenciono publicar no Lírios.
Até ao meu regresso.
Bom Carnaval.
Beijinhos
Mariazita

Olhos de mel disse...

Querido Daniel, em suas poesias, sonho e vivo a fantasia de conhecer as maravilhas que vives a cantar. Pois daqui do nosso mundo, conheço Portugal que ouço falar.
Linda meu amigo!
Bom carnaval, boa semana!
Beijos

xistosa - (josé torres) disse...

O que mais gosto de Peniche, não é a partida para as Berlengas, onde um grande amigo, há uns anitos bem bons, partiu uma perna, pois também não gosto de ilhas.
Sinto-me preso ... e eu gosto de liberdade
Mas gosto muito mais duma boa caldeirada de peixe ... tinha por aqui o cartão da casa, mas é como tudo.
Quando necessito não aparece ... quando já não fizer falta, vem-me ter á mão.
E lá temos a ilusão que algo de grande existe nas pequenas ilhas, a não ser o número de gaivotas que eram (há muito) muitas ...

jo ra tone disse...

Berlengas,
uma das nossas maravilhas,
merece umas boas dedicatórias
Como esta.

João

Laura disse...

xistosa, so podem ter na ilha, perto de dez mil gaivotas e elas excedem a população em mais de vinte mil e assim, vão para lá os estudantes universitários, partir ovos, é vê-las a voar atrás deles e tentar bicá-los por lhes matarem os filhos, acho que está mal feito, mas, também não podem reproduzir-se assim..coitadas e o mundo é tão grande e nem as aves cabem no seu mio, junto ao mar!...