sábado, 11 de julho de 2009

poema

http://brincandocomarte.blogspot.com/

Oferta da Criss! veja o seu blog, que acompanho há mais de ano e meio.

Foto de Cláudia Cardinali que me foi enviada para Angola em 1963. Foi à cidade da Gabela. Como entretanto tinha sido adido a um novo Esquadrão, foi-me reenviada para a Lunda Norte, vila de Portugália, a sete quilómetros e meio da fronteira com o Congo ex-belga.

VICÍOS

Apelidar de desperdícios
Todas as actividades
Relacionadas com vícios
Fumar, comer ou bebericar
Jogar, muitos outros tentar
Dir-se-á que são tiques
Os vícios serão de experimentar
Ver e aprender estará bem
Desde que não se passe o limiar
Passar o patamar será doce
Mas causa danos de arrepiar
Por exemplo, se drogar
Causará incompatibilidades
Com terceiros, que a notar
Sofrendo serão os primeiros
Ao prazer
Vícios podem suceder
Quem se vicia, arrisca-se
Prematuramente a perecer
Quem gostar de viver
Terá de procurar outro prazer
Deixar o vício tomar poder
É achar-se forte, mandão
Afinal prepotente,
Doente então
Deixou que o vício o domasse
Na sua vida entrasse
Qual sereia, que atrai e enleia
Transforma
Na sua própria teia
Contra o vício, sejamos fortes
Não é, o danado, a doce Hermengarda
É como demónio de espada
Denodadamente içada

Daniel Costa

12 comentários:

Mariana disse...

Um beo texto.
Muito bom, beijo

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Bom, já está ficando chato eu dizer que adoro os seus poemas, Daniel.
Sabe que eu fumava 120 cigarros por dia, ou seja, 6 maços, e um dia, dei um trago e pensei: "que porcaria, não me dá prazer algum". Joguei fora e nunca mais voltei a fumar. Faz 4 anos. Eu não sou químio-dependente, nunca fui, fumava por compulsão, porque ficava trabalhando até de madrugada e acendia um na bituca do outro. Já o meu irmão fumava 6 cigarros e não conseguia largar, só que foi obrigado, pois teve um infarto.
Amigo, nem bem vc me comentou no Galeria e já estou de post novo, vc vai gostar.
Beijos,
Renata

UMA PAGINA PARA DOIS disse...

Se cada dia cai, dentro de cada noite,
há um poço
onde a claridade está presa.
há que sentar-se na beira
do poço da sombra
e pescar luz caída
com paciência.

Pablo Neruda

Desejo um belo domingo e uma linda semana.
Abraços

Marta Vasil disse...

Mais uma vez o Daniel abordou problemas reais de vida, concretamente,da vida de quem por um motivo ou outro se deixa cair nas armadilhas das dependências.


Um resto de boa tarde de Domingo

mundo azul disse...

____________________________

Um belo poema versando sobre a questão do vício... Sim, o melhor é ficarmos sempre longe das tentações...Não sabemos como nosso corpo se comportará ante o vício.


Beijos de luz e o meu carinho, amigo!!!

__________________________________

Daniela Filipini disse...

Eu acho simplesmente ridiculo o ato de se drogar, e ainda por cima achar que é forte por destruir a propria vida de tal maneira. Por pior que seja o sofrimento, por maior que seja a dor, ninguém passa pelo que não pode suportar, e por maior que seja a dor, não é com drogas que iremos supera-la!

Laura disse...

Qualquer vicio é um vicio, desde que se tenha já preparado o tal do vicio para o tirar..ahhh vicio, sempre vicio na droga, tabaco, bebida, doces, cada qual com o seu...até chocolate vicia..Beijinhos meus...

Desnuda disse...

Daniel! Nossa! Fiquei tão feliz com o teu comentário, que veio acrescentar e somar meus conhecimentos! Adorei...Vou guardar e daí pesquisar mais sobre. Adoro aprender!!! Nesta época tinha 11 anos de idade, portanto devo encontrar mais sobre.


Grata! Uma linda semana. Beijos

Desnuda disse...

Um poema temático, maravilhoso, sempre.!


Mas confesso...Sou tabagista aff. Ainda bem que pc não tem cheiro rsrs. Aqui estou digitando e...fumando. Confesso.A dependência cada vez mais limita a minha liberdade de ir e vir´, o que é uma pena... Beijos, amigo. Obrigada.

Desnuda disse...

Obrigada pela gentileza, Daniel! Anotado! Beijos, amigo.

Sonia Schmorantz disse...

Vícios fazem parte...
Uma otima semana para ti.
abraço

Ana Martins disse...

Grande poema este Daniel!!!
Os vícios nunca podem ser benéficos dado que tornam as pessoas dependentes.

Beijinhos,
Ana Martins