domingo, 16 de maio de 2010

Poema


O MEU CACHIMBO

Seria por graça usar cachimbo
Talvez snobismo fingidor
Já havia passado pelo limbo
Queria parecer escritor com ares de investigador
Amava a Damiana
Amor platónico poderia ser com pudor
A mulher bonita com ares de sultana
Nunca soube como sabia
Deu instruções a bonita Damiana
Era linda de morrer e o coração a bater
Desejaria poder amar essa sultana
Continuei sempre a dedicar-me a escrever
A gravar o que pensava
Porém, esse platonismo iria perecer
O meu cachimbo mais algum tempo durou
O oriental odor a tabaco
Sem o incentivo do amor platónico
Sem aquele amor teutónico acabou
Em boa hora fora tomada a decisão
A interessante experiência terminou
A vida foi sempre assim
Tudo se passou e quando germinou
Deixou gostosa sensação
Foi como o tabaco que se fumou

Daniel Costa


16 comentários:

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Lindo! *Tudo se passou e quando germinou/Deixou uma gostosa sensação/Foi como o tabaco que se fumou*!

E como deixou a sensação do tabaco, o Amor quando verdadeiro, não há quem apague a fumaça. Volta, ou melhor re.nova-se.


ALINE
Poema de Daniel Costa

Mulher morena

Amar-te fui sublime

Foi amor de um dia

Amor verdadeiro

Será como dizem

Não há como o primeiro

Se não acredito

Aquele amor de mulher

Será sempre bendito

Era o despontar dum amor de mulher

Um dia roubei-te um beijo

Foi uma loucura

Forte desejo

Não gostaste

Por certo não correspondias

Porque logo retiraste

Mas olha Aline

O meu amor de mulher

Continua intacto e sublime

Continuas a mulher

Que um dia pronunciaste sim

Exultei, o amor

ficou mais sublime

O amor de mulher

Não de um sentimento qualquer

Vivia o verdadeiro amor

O amor que deveria de ser um dia

O da minha mulher*
Beijos e ótimo domingo e vida, com muito Amor.
Muito obrigada.
Renata

Pérola disse...

Beijos meu querido.
Obrigado pelo carinho.
Um lindo domingo.

Everson Russo disse...

Um ar de Sherlock Holmes,,,achei super lindo o tudo se passou quando germinou...belissimo,,,abraços fraternos de otima semana pra ti amigo...

lita duarte disse...

Daniel,

É, tudo passa,:)

Belo poema.

Beijos.

angela disse...

É o momento, tem paixões assim que deixam agradavel impressão.
Lindo poema
beijos

Ana Martins disse...

Meu caro Daniel,
mas que inspiração, está mesmo muito bom este poema!

Beijinhos,
Ana Martins

Felina Mulher disse...

Belo Daniel, muito bonito mesmo!

Mas fumas mesmo cachimbo?

Beijos do Mar pra ti.

Sonia Schmorantz disse...

A vida é assim, também se esvai na fumaça...
Um ótima nova semana para você
abraço

Everson Russo disse...

Um forte e fraterno abraço pra ti amigo pra desejar uma semana de paz e poesia...

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Bom Dia, Daniel, poeta que nos encanta!

*Os homens que pensam cansam-se

de tudo, porque tudo muda.

Os homens que passam provam-no,

porque mudam com tudo.

De eterno e belo há apenas o sonho...
Fernando Pessoa - O Marinheiro*

Beijos

Renata

SAM disse...

Querido amigo,

um belíssimo poema, sem dúvida. E você, em versos, disse algo muito interessante e verdadeiro, de forma linda e poética:

"Tudo se passou e quando germinou/Deixou gostosa sensação/Foi como o tabaco que se fumou"

Maravilhoso, poeta! Bravo!


Carinhoso beijo e linda semana, amigo.

Elaine Barnes disse...

Quem conseguiu atravessar a cortina de fumaça,amou e amou e ainda consegue incendiar com uma ponta de loucura um amor eterno. Amei! Montão de bjs e abraços

Pensador disse...

Na vida, tudo pode se acabar. Para que permaneça, é necessário ser cuidado.
Para continuar a ter prazer tragando seu cachimbo, é preciso mesmo sempre lhe colocar o tabaco.
Se tal coisa não é possível, nos resta apenas saborear os bons momentos que tivemos.
Excelente post.
Abraços, boa semana!

Carmela disse...

Lindoooo!!

Bjos

Everson Russo disse...

Abraços fraternos ao amigo pra desejar um belo dia de poesia e paz.

Amigos Sao eternos disse...

Que poema Daniel!!! lindo como voce e seu magnífico coração.