A MINHA POESIA - A MINHA VIDA

domingo, 27 de março de 2016

POEMA QUANDO EU FUI VINHATEIRO



QUANDO EU FUI VINHATEIRO
 
Era então poeteiro,
Ao tempo bom cristão
Quando eu fui vinhateiro
Laborava até à exaustão
Ou seja o dia solar inteiro,
Na poda iniciava a gestão,
Na empa seguia o roteiro,
Na cava discutia a digestão,
Na sulfatagem, fui timoneiro,
No tratamento a enxofre glutão,
Na espera da vindima, ceifeiro
Fazia de tudo, até de saltitão
Apareciam as uvas no outeiro,
Primeiro as brancas, apertão!
Brancas e tintas como pisteiro,
Depois de colhidas, eu valentão
As mordia e ganhava dinheiro
No lagar descalço fazia vistão
A bica a sangrar, por inteiro,
Depositar no casco, bonita ocasião
Quando eu fui vinhateiro.
 
Daniel Costa
 
 
 
 

6 comentários:

Renata Maria disse...

Mais um poema de vida muito lindo. Vc também foi um jovem muito bonito.
Beijo*

Graça Pires disse...

"Quando eu fui vinhateiro." E foi mesmo, amigo?
Beijo.

Vera Lúcia disse...


Olá Daniel,

Não consigo imaginá-lo como cultivador de vinhas-rs!
Muito bacana o poema.
Você foi um jovem bem bonitão, hein?

Feliz semana.

Abraço.

José María Souza Costa disse...

Olá, Daniel.

Um poema autobiográfico.
Abraços

Salete disse...


Que poema lindo, Daniel.

Eu nunca fiz vinho, mas acompanhava a lida e mesmo crianças era nos servido um golinho depois de pronto. Ficávamos com as bochechas cor de rosa... rs

Beijinho, querido.

Tais Luso disse...

Dizem por aqui que o vinho por si só já é uma poesia!
Imagino quem faz o vinho!
Beijos, amigo Daniel.