segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Poema


MARIA JOÃO

“Chorou na barriga da mãe”
Dito popular que várias vezes escutei
Aconteceu-me ouvir esse choro também
Ouvi sempre proferido
A mencionar a sorte de alguém
Fiquei alertado quando me sucedeu além
Era o meu próprio sangue
Num ser a quem já queria bem
Viria ser a Maria João
É bonita, pois filha, comigo parecida!
A mãe Maria João é um gosto de filha então
Esse nome de uma criatura nascida em Lisboa
Na capital nascer foi um gosto
Gosto o nascimento e o morar em Lisboa
João eram ambos os bisavós
Outros antecedentes tem, o nome não nasceu à toa
A filha é bonita
Deveria ficar com apelido Lisboa
Olhando vetustos bairros
Sonharia com um mais recente, a Madragoa
Para que mais se distinguisse
Das muitas outras da minha e sua Lisboa

Daniel Costa


NO, LISBOA CAFÉ, BLOG ESPECIFICO, DE QUE IRÁ SAIR EDIÇÃO EM OBRA DE LIVRO, FOI POSTADO PREFÁCIO ESCRITO POR Y. M. PROFESSOR UNIVERSITÁRIO, AMIGO DE LONGA DATA.
LECCIONOU NA UNIVERSIDADE COMPOSTELANA DE MADRID.
NO ANO ANTERIOR FOI PROFESSOR CONVIDADO EM SÃO PAULO, BRASIL.
http://danielmilagre.blogspot.com/
D. C.

23 comentários:

Felina Mulher disse...

Estatelei-me nesta homenagem!
Sabe Daniel,não é fácil falar da tua pessoa, mas és um dos poetas mais honestos e humilde que já li...assim te deixo o meu fraterno abraço.

e sem dúvida um belo poema a alguém que bem o merece.

um abraço pra ti, um beijo pra maria joão.

angela disse...

Lindo o poema, muito especial, suave e emotivo. Adorei.
Beijos amigo

poetaeusou . . . disse...

*
cheira bem,
por aqui
cheira a Lisboa !
,
um abraço,
,
*

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Adorei o poema!
Muito obrigada por ter me pela parte que me toca no tocante ao livro. Fiquei encantada!

*Lisboa* é simplesmente maravilhosa!

* Quem nunca viu
que a flor, a faca e a fera
tanto fez como tanto faz,
e a forte flor que a faca faz
na fraca carne,
um pouco menos, um pouco mais,
quem nunca viu
a ternura que vai
no fio da lâmina samurai,
esse, nunca vai ser capaz.

Paulo Leminski*

Deixo-lhe este poema + mil Beijos também pelos tocantes comentários nos cantos.
Renata
PS: Este livro, eu o quero!

lita duarte disse...

Daniel,
Que coisa boa esse poema.

Beijos.

Ana Martins disse...

Muito bonito Daniel, e já agora aproveito para dizer que concordo com o que diz Felina Mulher.

Beijinhos,
Ana Martins

Jacque disse...

Muito Lindo Daniel.

Beijo

Olhos de mel disse...

Querido amigo Daniel; gosto de chegar por aqui e ver a pessoa maravilhosa que você é, e a dedicação e carinho que trata essas homenagens. Maravilhosa!
Quero dizer que pode escrever sim e escolher a que quiser também. E desde já agradeço a atenção e carinho.
Beijos

Marta disse...

Poema escrito com a alma como sempre, Daniel....
Escutas o coração e dizes tudo nas palavras...
Obrigada pela visita e se quiseres ler poemas só meus, encontras-os no outro blog (Minha Página).
Beijos e abraços
Marta

Everson Russo disse...

Meu amigo, a cada palavra sua eu torno me mais seu fã,,,,tens uma facilidade incrivel em homenagear,,,em tecer palavras que tocam ao coração da gente que lé, e com toda certeza, muito mais da pessoa exaltada em seus versos,,,,um belissimo dia pra ti e um forte e fraterno abraço sempre....

Felina Mulher disse...

Um beijo meu anjo...és poeta sim!
Teu carisma é contagiante.


Um dia delicioso!

FOTOS-SUSY disse...

OLA DANIEL, BELISSIMO POEMA...ESCRITO COM O CORACAO...MAIS UMA LINDA HOMENAGEM...ES UM GRANDE AMIGO E SER HUMANO...ADOREI...QUE TENHA UMA FELIZ SEMANA AMIGO!!!
BEIJOS DE AMIZADE,


SUSY

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Olá, querido! Vir aqui é simplesmente um prazer e jamais cansa. A sua escrita é linda!

Muito obrigada por mais aquele carinho no canto.
Deixo-lhe este meu primevo cântico ao a(mar) + Beijos*****************

*QUE ME SAIBA PERDER PRA ME ENCONTRAR


Mote: “QUE ME SAIBA PERDER... PRA ME ENCONTRAR”
(Florbela Espanca)

“What is this thing called love? What? Is this thing called love? What is this thing called love? Love.”
(Cole Porter)

Lágrimas verdes a transbordar
Mar, Amor, Amar.
Que me saiba perder... pra me encontrar.

Nau etérea a navegar,
Ar, Areia, Arejar.
Que me saiba perder... pra me encontrar.

No azul, sol a brilhar,
Lua, Lume, Luminar.
Que me saiba perder... pra me encontrar.

Busca incessante sem findar,
Remar, Remanso, Rematar.
Que me saiba perder... pra me encontrar.

Querer, querida, querelar,
Vencer, Vencida, Vacilar.
Que me saiba perder... pra me encontrar.

Mel da vida a lambuzar,
Seiva a Sede Saciar.
Que me saiba perder... pra me encontrar.

Pão bendito a fartar,
Suave Seara Semear.
Que me saiba perder... pra me encontrar.

Céu e mar no horizonte a se abraçar,
Em porto seguro ancorar.
Que me saiba perder... pra te encontrar.

® 1982 Renata Cordeiro*

Bom Dia de Hoje!

LOURO disse...

OLÁ QUERIDO DANIEL, A TUA POSTAGEM ESTAVA LINDA...!
AGORA EU, ESTOU A POSTAR NÃO DO MEU BLOGUE MAS SIM DO BLOGUE DO MEU AMIGO LOURENÇO, QUE CONHECE A MADEIRA COMO NIGUÉM... GOSTARIA DE UM COMENTÁRIO TEU SE FOR POSSÍVEL... AS FOTOS SÃO TIRADAS POR ELE O SONETO ESCRITO POR MIM... ABRAÇO-TE COM MUITO CARINHO E TERNURA,
ABRAÇOS DO LOURENÇO,
FERNANDINHA

Eu sei que vou te amar disse...

Daniel, mais uma Ode a grande Lisboa, cidade que acaricia a "Luz" e nos leva a percorrer as ruas que escondem inumeras historias!
Uma bela homenagem a "nossa" Lisboa escrita pela tua pena alem das fotos que ditam saudades!
Beijo doce

Maria Bonfá disse...

amei seu poema. é de uma suavidade que me encantou.. quero agradecer pelo seu comentario no meu blog..obrigada.. beijão

SAM disse...

Meu querido amigo,

tudo já disseram. sobre o poema e sua pessoa. E tudo é pouco para definir o grande ser humano e o seu talento. Humildade, bondade, dignidade, lealdade, um caráter exemplar e tantas e tantas distinções mereces! E fico imensamente feliz e grata a Deus por sua existência e, na minha, conhecê-lo. Um afeto e uma admiração sem limitações, pois nasce da sinceridade do coração.

Beijos, com carinho.

Sonia Schmorantz disse...

Homenagem muito justa à Maria João, gosto muito do que ela escreve, e seu poema aqui, é igualmente bonito.
abraço, ótima semana

xistosa - (josé torres) disse...

Por vezes temos que conversar connosco mesmo.
E se as palavras se harmonizam, fazem belos poemas, mesmo a um rebento de nós próprios.

Um abração.

AFRICA EM POESIA disse...

DANIEL
PARA Ti...Meu Amigo...


BEIJOS


Beijos são sempre beijos
De tarde, à noite...
Ou mesmo de manhã...
Deixam ternura...
Matam saudades...
E conservam a vida...

LILI LARANJO

Carmem disse...

Dani, muito bonito!

Bjusssssssss

Everson Russo disse...

Meu amigo, agradecendo a cada dia mais e mais por sua amizade e companhia,,,deixo um abraço fraterno de bom dia e paz....

Guida Linhares disse...

Maravilha Daniel...o bonde me traz gratas lembranças do meu tempo de criança e jovem, quando eles circulavam na avenida onde eu morava...agora temos apenas dois: um turístico pelo centro histórico da cidade e outro que fica como monumento numa praça central da nossa praia de Santos-Estado de São Paulo-Brasil, considerada pelo Guiness Book como aquela que possui os jardins mais extensos ao longo da orla da praia. Abraços fraternos, guida